segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Com 8 mortes em 2015, Brasil é 5º país mais perigoso a jornalistas, diz ONG



Relatório da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) divulgado nesta segunda-feira (22) apontou que o Brasil teve oito jornalistas mortos e 64 agredidos em 2015. O documento cita um ranking da ONG Press Emblem Campaign, que coloca o país como o quinto mais perigoso para os profissionais da impressa – atrás de Síria, Iraque, México e França.

De acordo com a associação, três dos assassinatos ocorreram em 11 dias, durante o mês de novembro. A Abert se disse preocupada com os números e afirmou que é “inaceitável que profissionais sejam impedidos de atuar na cobertura de fatos de interesse da sociedade”.

De acordo com o relatório, oito jornalistas foram presos e 14 profissionais foram ameaçados em 2015 – considerado como um “ano cruel” pela associação. Entre as vítimas de assassinatos, seis trabalhavam  no Nordeste. Um deles foi o radialista cearense Gleydson Carvalho, que foi morto durante transmissão ao vivo.
Segundo o presidente da Associação, Daniel Slavieiro, os jornalistas mortos em novembro tinham perfil comum por “denunciarem regularmente a corrupção de políticos de suas regiões e terem sido vítimas de frequentes ameaças de morte”.

Ele afirmou que é preciso reagir e cobrar para garantir uma imprensa livre.

Criada em 1962, a Abert reúne 22 associações estaduais, 320 emissoras de TV e 3,1 mil emissoras de rádio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça o seu comentário.