quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Guardas Municipais de Sobral se dizem perseguidos pelo novo prefeito



Os profissionais que, mesmo sem as minimas condições de zelarem por sua própria segurança, e que têm seu trabalho respeitado e reconhecido na região Norte do Ceará, vivem uma “situação absurda, sem o mínimo de condições humanas e sim amimais, quando têm que desempenhar um serviço digno que o povo de Sobral merece". 

Na nota eles alegam não ter onde beber água, nem onde usar um banheiro, caso necessitem. Trabalham, segundo eles, 12 horas por dia, em pé, o que provoca estresse, depressão e falta de condições de trabalho. "Muitos trabalham com coletes vencidos e uma pistola de plástico (SPARK), já desgastada e com munição vencida", acrescentam.

Se entre o pessoal que se diz dos Direitos Humanos não tivesse um vice preisdente mantido pelo PCC, seria até viável se fazer uma denúncia, mas do jeito que está, nem adianta tentar. 

O que pode ser feito é pedir clemência à marginalidade e trabalhar em favor da sociedade, explicando que esses maus-tratos fazem parte da sacola de maldades que o novo prefeito guardou para os guardas que não sorriram para a beleza dele na campanha política, nem votaram na sua "santidade". 

Esse conjunto de lamúrias dos guardas municipais atinge a diversos outros setores da má digestão que Sobral vive desde a hecatombe chamada Veveu. O novo prefeito só sabe que tem coração porque o órgão saltita dentro dele. É um inconsequente que se arvora quando chega ao poder e que nada mais é senão um prefeito do interior do nordeste pensando ser de Nova Iorque.

Para com isso novo prefeito. Respeita o povo, cara!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça o seu comentário.