sexta-feira, 26 de junho de 2015

Numa demonstração de disposição para a luta, servidores arrancam proposta do governo





Finalmente, após quatro meses do início da Campanha Salarial 2015, o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) apresentou em reunião na tarde dessa quinta-feira  (25/06) a proposta do governo de reajuste salarial para os servidores do Executivo, com percentual de 21,3%, escalonado em quatro anos: 5,5% (2016); 5% (2017); 4,75% (2018) e 4,5% (2019). 

Para o secretário-geral do Sindsep-DF, Oton Pereira Neves,  a reunião foi uma resposta antecipada do governo às mobilizações do Dia Nacional de Luta, visto que foi agendada pela Secretaria de Relações do Trabalho (SRT/MPOG) na véspera. “Apesar de a apresentação da proposta ser positiva, o percentual proposto não repõe a inflação do período que, segundo estudo do Dieese, é de 27%. Além disso, o pagamento escalonado não prevê a reposição da inflação futura que está em ascendência”, afirmou. Outro ponto negativo é o fato de o governo ter atrelado a aprovação da proposta pelos servidores à discussão dos demais itens da pauta geral de reivindicações, incluindo o reajuste dos benefícios.

Uma nova reunião das entidades do fórum  com o MPOG  está agendada para o dia 7 de julho. Em função da data, a Condsef antecipou a sua Plenária  Nacional do dia 11 para o dia 4 de julho. 

Mobilizações nos locais de trabalho

Os servidores do Executivo Federal em Brasília reafirmaram sua capacidade de mobilização ao participarem das atividade dessa quinta-feira (25), como parte das ações pelo Dia Nacional de Luta convocado pela Condsef. Nos Ministérios da Educação (MEC) e da Saúde (MS), os servidores paralisaram suas atividades pela manhã. Em outros órgãos, como Advocacia-Geral da União (AGU), Ibama e Ministério do Planejamento, foram realizados atos. Em todos os demais ministérios da Esplanada houve panfletagem. 

No início da tarde, mais de 400 servidores participaram da assembleia-geral do Sindsep-DF no Espaço do Servidor, oportunidade em que avaliaram o cenário da Campanha Salarial, aprovaram o indicativo de greve, caso a proposta do governo seja considerada insuficiente, e a realização de vigília em frente ao MPOG  (bloco C) para acompanhar a reunião do governo com o fórum de entidades. 

A mesa da assembleia foi composta pelo secretário-geral Oton Pereira Neves, a diretora Thereza Alencar (coordenadora da Secretaria da Mulher Trabalhadora), a diretora da Executiva da Condsef, Cleusa Cassiano, a vice-presidente da CUT Brasília, Mag  Barbosa Guimarães, além da deputada federal Érika Kokay (PT-DF). 

Fonte: Imprensa Sindsep-DF

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça o seu comentário.