domingo, 26 de fevereiro de 2017

Mel na Meru



Em decorrência da falta de opcionais carnavalescos na cidade, os sobralenses, neste período, se valem da Serra da Meruoca, diga-se de passagem, em maior quantidade depois que inventaram o Meru Folia, form,ando o bloco Mel na Meru.

Ano a ano o movimento cresce e comprova que as ofertas culturais de Sobral minguam, confirmando a indisposição da gestão municipal em pulverizar os movimentos culturais, que nos recentes anos ficaram no banco de reserva.

O sobralense é um eterno conformado. Todo o pouco o satisfaz. Ele não cobra direitos, ele não se impõe às injustiças ou incompetências, não ousa exigir respeito... Enfim, ele tem a cara dos demais brasileiros que se escondem nas alcovas para fazer ecoar o grito de revolta.

Ainda sobre o carnaval da Meruoca, muitos dos que subiram com expectativas desceram com frustração, reclamando do engarrafamento, dos agentes de trânsito perturbando mais que mosquito em fundo de cachorro, e com a conclusão de que o movimento da serra cresce, porém não se organiza.

Não é legal se fazer movimentos que impeçam o direito de ir e vir do cidadão. Não se pode obstruir vias públicas a não ser que elas estejam oferecendo risco. Imaginemos um cidadão numa festa dessas passar mal e precisar ser levado a um hospital.... Será que ele conseguirá? Muitas outras situações podem ocorrer num momento assim, no entanto, o que se vê do lado das autoridades é mais o interesse em se locupletar com multas de trânsito do que com sua organização.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça o seu comentário.