sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Coluna Evidências - Silveira Rocha


Sobral e seu pequinês
Tudo o que gente não quer é que Sobral continue tendo gestores com o pensamento de dono do povo, tirano e cego de orgulho, arrogância e prepotência. Não, Sobral não pode voltar no tempo à época da escravidão, em que a Justiça era o dinheiro e a doutrina a chibata.
Pela primeira vez na história mais recente, ao menos neste século, vê-se que a Câmara de Vereadores do Município assume uma postura coerente, em que os parlamentares se dividem e corroboram com o debate verdadeiramente democrático. O Legislativo daqui Já não é mais como o fora em tempos passados em que um prefeito batia a mão sobre a mesa, encarava os presentes e perguntava: “quem de vós ousa desafiar-me”?
Vendo o Legislativo atual – isso depois de uma radical mudança, graças ao pleito eleitoral – e, também, o próprio pessoal que administra a Casa, muita gente nova, advinda através de concurso público e não mais de apadrinhamento político, podemos afirmar que em Sobral um poder está mudando, enquanto que o outro, no caso o Executivo, este continua falando línguas estranhas e sem demonstrar compromisso com a população.
Causa estranheza a atitude do novo prefeito em fechar a usina de asfalto quando a cidade está com quase toda a sua malha asfáltica avariada e com tendências de piorar, isso com a ocorrência das chuvas. O novo, todavia, começa investindo na indústria das multas, principalmente no trânsito ordinário que a cidade tem, sem projeto, sem ordem e sem razão de ser.
A onde de desemprego, quando o país atravessa uma de suas piores crises, leva inúmeros chefes de família ao desespero e seus lares ao caos. A política do novo prefeito fecha os olhos para essa realidade. A lógica do gestor é a de que a Prefeitura não é instituição de caridade e sim um lugar para abrigar amigos, parentes e promover o bem-estar dos “chegados”.
Sobralenses, peguemos nossos terços e vamos tirar trezenas para Santo Expedito resolver as causas impossíveis de Sobral que, se melhorar espanta e se piorar não surpreende.
Liderança comprovada
O deputado Moses está sendo assediado por diversos novos prefeitos, que o veem como articulador dinâmico e atencioso com seus aliados e apoiadores. Com apenas dois anos de mandato, o jovem parlamentar já detém o melhor currículo parlamentar da região Norte, equiparando-se ao deputado José Linhares, reconhecidamente o maior articulador de recursos para a zona norte em todos os tempos.
A luta continua
Esse modelo adotado pelo deputado Moses, certamente o fará nas próximas eleições um dos parlamentares com maiores possibilidade de reeleição, o que virá assegurar a continuidade de um representante comprometido com o bem coletivo. Muito embora não tenha obtido êxito nas eleições passadas, quando foi candidato a prefeito de Sobral, Moses Rodrigues mantém uma base firme e com tendência de fazer crescer ainda mais sua liderança.
Creche São Camilo
Camilo Santana abre as portas da filantropia do governo para abrigar Veveu e seu mano Luciano, que apesar de serem advogados não são afeitos ao trabalho profissional, preferindo o berço esplêndido do faz de conta que trabalha.
Pecado da Capital
Fortaleza quando chove se transforma num grande piscinão. Infelizmente os gestores voltam seus projetos para o embelezamento da cidade, a fim de tornarem-na cada vez mais atrativa para os turistas, e não afável e segura para os moradores, que passam o inverno junto com a podridão dos esgotos e o mal-estar do lixo. Nesse aspecto Sobral não passa longe, muito embora se tenha assistido construções e mais construções de galerias de drenagem em diversos pontos da cidade.
À moda cupim
Dá náusea em estátua a forma como alguns gestores pilantras deixaram as prefeituras de suas cidades. Mau-caratismo nunca combinou com espírito público. É que tem gestor que se acha dono da prefeitura e senhor absoluto do município que deveria administrar. Num país sério, políticos assim chegam a ser fuzilados. No Brasil eles são acolhidos em órgãos públicos.
Brasil colombiano
Em quem se deve confiar neste país em que o pessoal dos ditos direitos humanos se atrela aos comandos do mal; em que delegado recebe dinheiro de facções e as autoridades se admitem incompetentes para combater o narcotráfico? Não se surpreendam se nas próximas eleições Lula e Fernandinho Beira-Mar estiverem disputando a Presidência.
E o transporte?
Sem querer ofender o novo prefeito, Sobral terá linhas de ônibus regulares, ou só mesmo o trem indo e vindo sem passageiros suficientes para pagar o óleo consumido?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça o seu comentário.