segunda-feira, 30 de junho de 2014

Governo deve exigir que trabalhador estude para receber seguro-desemprego


O ministro da Fazenda, Guido Mantega, veio a público nesta quinta-feira (31) para tentar atenuar as preocupações com as contas públicas do País ao afirmar que o governo já estuda reduzir despesas com o pagamento de seguro-desemprego e o abono salarial que, neste ano, devem somar pouco menos de R$ 50 bilhões.

Entre as medidas, está em estudo tornar obrigatório curso de qualificação de trabalhadores que pedirem o seguro-desemprego pela primeira vez. Até o momento, a exigência é a partir da segunda solicitação.

 Governo estuda maneiras de reduzir o seguro desemprego

O esforço vem no momento em que a meta ajustada de superávit primário do setor público consolidado deste ano — de 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB) — não deve ser cumprida. Em setembro, o resultado veio muito pior que o esperado, com déficit recorde de R$ 9 bilhões.

"Queria falar do esforço permanente do governo para diminuir as despesas ou controlá-las de modo a obter um bom resultado fiscal", afirmou Mantega a jornalistas, sem responder aos questionamentos sobre se haveria a necessidade de ajustar mais uma vez a meta deste ano.

Segundo o ministro, está em estudo tornar obrigatório curso de qualificação de empregados que perderem seus empregos e buscaram o seguro-desemprego pela primeira vez. Hoje, explicou ele, isso ocorre na segunda vez.

Mantega afirmou que, desta maneira, poderia atacar possíveis fraudes que estão ocorrendo, como o empregado continuar recebendo o seguro-desemprego mesmo após ter conseguido outro posto de trabalho.

O ministro disse ainda que discutirá essa fórmula com as centrais sindicais, bem como possíveis mudanças no abono salarial, mas sem dar mais detalhes.
Mantega argumentou que o resultado de setembro veio de despesas extraordinárias que não se repetirão nos próximos meses, e defendeu que as grandes despesas como o pagamento da folha, juros e despesas com aposentadoria "estão sob controle".

"É para elas que estamos olhando. As grandes despesas estão sob controle", reiterou Mantega.


 ASSIM COMO TODO PATRÃO IDIOTA, O BRASIL TAMBÉM ENXERGA I TRABALHADOR COMO PREJUIZO, E O PRINCIPAL ALVO DE CORTES QUANDO OS NEGÓCIOS VÃO MAL.

Comentando:

A DILMA E O MANTEGA NÃO SABEM QUE O QUE ACABA COM A ECONOMIA DO BRASIL É O DINHEIRO MAL EMPREGADO NA SUSTENTAÇÃO DE UM LEGISLATIVO QUE NOS FAZ MAL E DE UM JUDICIÁRIO QUE NÃO NOS FAZ BEM. ISTO SEM CONTAR COM A ROUBALHEIRA EM TODOS OS RECANTOS DO GOVERNO E DA CORRUPÇÃO GENERALIZADA. MAS A CULPA É SÓ DO POBRE DO TRABALHADOR.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça o seu comentário.