domingo, 13 de julho de 2014

Inflação e desemprego voltam a ocupar o centro das atenções do povo da Argentina após a derrota na final da Copa do Mundo


A derrota para a Alemanha na decisão da Copa do Mundo neste domingo deixou milhões de argentinos desconsolados. No parque San Martín, no centro de Buenos Aires, uma multidão entusiasmada foi reduzida ao silêncio pelo gol de Mario Gotze na prorrogação. Arrasados, os torcedores seguravam a cabeça com as mãos enquanto os minutos derradeiros da partida se escoavam.
Ao som do apito final, imagens de televisão mostraram torcedores em toda a cidade em postura desafiadora, sacudindo bandeiras, aplaudindo o time e entoando "Argentina, Argentina". Mas a tristeza era evidente. “É mais um tapa na cara. Acabou a alegria, mas ficamos em segundo e não passamos vergonha no Brasil”, disse Eduardo Manfredi, de 40 anos.
As esperanças de 40 milhões de pessoas estavam nos ombros da seleção. Desde que o país ganhou sua segunda Copa do Mundo, no México, em 1986, os argentinos têm testemunhado uma agitação social e crise econômica.
Agora, o país tem uma das mais altas taxas de inflação no mundo, que este ano pode superar 40%, está perto de seu segundo default da dívida em 12 anos, e a economia fraca está elevando o desemprego e a pobreza. "Amanhã vamos voltar para a dura realidade", disse Esteban Gallardo, de 50 anos.
Horas antes de o jogo começar, torcedores da capital se espalhavam pelos bulevares da cidade tocando suas cornetas e batendo tambores, e alguns até vestiram seus cães com uniformes.
Bicampeã do mundo, a Argentina conquistou sua última Copa em 1986, quando derrotou a justamente Alemanha na final.
*Com Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça o seu comentário.