segunda-feira, 30 de junho de 2014

Da cadeia para o Governo



O Partido da República (PR) confirmou, neste domingo (29), a candidatura de José Roberto Arruda ao governo do Distrito Federal. Na convenção, o PR selou a aliança com o PMN, o PRTB, o PTB e com o DEM. Em 2010, quando governava o DF, Arruda foi preso. Ficou na cadeia por dois meses sob suspeita de envolvimento em esquema de caixa dois e de distribuição de propina, conhecido como “mensalão do DEM”. Ele deixou o DEM para evitar a expulsão. Teve o mandato de governador cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral por infidelidade partidária.

Na terça-feira (24), o ministro Napoleão Nunes Maia, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), determinou a suspensão de um julgamento que estava marcado para o dia seguinte e poderia tornar Arruda inelegível. Uma turma do Tribunal de Justiça do DF julgaria um recurso formulado pela defesa de Arruda contra condenação por improbidade administrativa. Ele foi condenado em primeira instância por conta do suposto “mensalão do DEM”.

No início de junho, a deputada distrital Liliane Roriz (PRTB) desistiu de participar da chapa de Arruda como candidata a vice-governadora. O nome do candidato a vice deve ser anunciado amanhã. Na chapa, Gim Argello (PTB) tentará ser reeleito senador.
Arruda vai enfrentar o atual governador, Agnelo Queiroz (PT), que disputará a reeleição, e o senador Rodrigo Rollemberg (PSB).
Hoje, o Partido dos Trabalhadores (PT) confirmou chapa encabeçada por Agnelo, com a manutenção da parceria com o vice-governador Tadeu Filippelli (PMDB). Já o ex-secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação do DF, o deputado federal Geraldo Magela (PT), concorrerá ao Senado.

O JOSÉ ROBERTO ARRUDA MERECE DEMAIS SER ELEITO, DE NOVO, GOVERNADOR DE BRASÍLIA. O CARGO É IDEAL PARA ELE, CIDADÃO TRABALHADOR, QUE APRENDEU A ROUBAR DESDE CEDO E QUE PODERÁ DE NOVO VOLTAR À TURMA DE LARÃPIOS DA CAPITAL FEDERAL. O POLÍTICO DO BRASILO É GENTE BOA. QUEM NÃO PRESTA MESMO É O ELEITORADO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça o seu comentário.